Seguir por Email

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Oi galera! 

Passando aqui rapidamente para dar uma dica, a pedido da minha amiga Rachel, para quem estiver com viagem marcada pro exterior ou para quem está planejando.  Hoje as moedas internacionais caíram bastante, principalmente o euro e a libra esterlina.  Se você está precisando ou vai precisar comprar, a hora é agora! 

Vejam essa reportagem da infomoney sobre o assunto. 

Espero que aproveitem!
Valeu pela dica, Rachel! 

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Oi gente!!
 Hoje vou fazer um relato sobre a minha viagem ao Uruguai, mais especificamente sobre Montevidéu e Punta del Este. Esse primeiro post vai ser sobre Punta e depois faço outro sobre Montevidéu, ok?

 Bom, viajei em setembro de 2014 com o namorado. Alugamos um carro aqui do Brasil mesmo e assim que pousamos em Montevidéu, retiramos e carro no aeroporto de Carrasco – excelente aeroporto, por sinal – e rumamos para Punta del Este, onde passaríamos cerca de 3 dias. Informação importante: no Uruguai deve-se dirigir sempre com os faróis acesos, não importa se está um solzão na rua! Eu não gosto de dirigir em locais que não conheço, mas a verdade é que a estrada que liga Montevidéu a Punta é super tranquila, bem conservada e uma reta eterna. São cerca de 2 horas com pouquíssimas curvas. Na verdade, o perigo é dormir no volante, de tão tranquilo. Para mim só não foi mais tranquilo porque quando chegamos estava chovendo, então precisei redobrar a atenção. 

Chegando em Punta, já triste achando que o tempo ficaria ruim durante toda a nossa estadia, o GPS não conseguia acertar o caminho do hotel. Acabamos parando no ponto em que o GPS mandou, mas precisamos descer e procurar o hotel a pé. Detalhe é que as ruas estavam um deserto, restaurantes fechados... parecia cidade fantasma mesmo! Eis que surge um vigia de carros simpático que, percebendo que estávamos perdidos, nos ofereceu ajuda e explicou como chegar ao hotel, que de fato era ali perto. Esse primeiro dia foi mais para reconhecimento da cidade. Com o tempo ruim, saímos de carro e procurando lugares abertos para comer, depois fomos dar uma volta na orla da praia. Fora da alta temporada, Punta fica realmente deserta. Isso pode ser bom ou ruim, dependendo do seu objetivo. Eu particularmente adorei, pois evito muvucas. Agora, se o que você quer é farra, paquera, bebedeira, baladas... aí realmente é melhor você deixar para ir no verão, de dezembro a fevereiro, quando o balneário ferve!

 Quando eu viajei ainda não tinha esse blog, então não guardei nome e nem fiz avaliação de restaurantes, mas de uma coisa eu lembro: Manolo Churros! J Aqui em Brasília não é fácil encontrar churros à venda nas ruas e eu simplesmente AMO churros. De quebra, ficava do lado no meu hotel! Churros quentinhos, sequinhos e a um preço bem amigo! O endereço é Calle 29 entre Gorlero y Calle 24. Infelizmente, só consegui comer em um dia, pois nos outros estava fechado. Se soubesse, teria comido alguns a mais... 

Apesar de não ter feito anotações sobre restaurantes, posso te dizer que você não pode deixar de comer as duas especialidades do país: churrasco e doce de leite!  Sério, é uma imoralidade de tão bom! Acho que só comemos churrasco lá,  todos os dias.  Quanto ao doce de leite,  provamos as duas principais marcas uruguaias,  que são a Lapataia e a Conaprole. Esta última é mais barata e foi a minha preferida,  mas a Lapataia também é muito boa!

 Quanto aos pontos turísticos que visitamos, segue a listinha:

 Monumento La Mano/Los Dedos: uma obra do artista chileno Mario Irrazábal feita em 1982. Fica na praia Brava e é super fácil de chegar, basta seguir pela orla da praia. Vantagem da baixa temporada: você consegue tirar fotos como essas, sem uma multidão de gente atrapalhando. Na alta temporada, pode esquecer.





 Casapueblo: costumava ser a casa de verão do artista uruguaio Carlos Páez Vilaró e agora é uma estrutura que inclui um museu, uma galeria de arte e um hotel, chamado Hotel Casapueblo. Localizada em Punta Ballena, a cerca de 30 minutos de carro de Punta del Este. A estrutura do local é bem diferente e contrasta bem com a paisagem que a cerca. De lá é possível apreciar um belo pôr-do-sol, de preferência beliscando alguma comidinha ou bebidinha vendida na lanchonete.






Porto de Punta del Este: a região do porto é simplesmente linda! Ótimo local para caminhadas e outras atividades físicas. Há vários restaurantes na região. Nada como sentar em algum dos banquinhos na orla, ou mesmo no cais de madeira, para apreciar a paisagem e o pôr-do-sol. Fui ao porto duas vezes e em uma delas, o tempo havia esquentado, então aproveitamos para apreciar a bela vista, acompanhados de uma cervejinha! 






 Igreja Candelária: a igreja fica em frente à Praça do Farol, bem pertinho da orla. O conjunto do visual – igreja, farol e praia- é belíssimo! É uma igrejinha pequena, datada de 1911. Bem simples, mas muito bonita. Vale a visita. 







 Praia Mansa: formada pelo rio La Plata, tem águas calmas. Região muito bonita, onde é possível praticar atividades físicas, observar o pôr-do-sol, petiscar. Principal ponto de referência: Hotel Conrad, que abriga um famoso cassino de mesmo nome. 

Praia Brava: nesta praia está localizado o monumento La Mano/Los Dedos. O mar é mais agitado, frequentado por surfistas. Ainda assim, vale a caminhada na orla, pois a paisagem é muito bonita. Você verá muitos locais apreciando a vista enquanto dão uns goles de mate. 

Bom, essas foram as minhas impressões sobre Punta del Este. No próximo post, falo sobre Montevidéu!

Até lá!

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Dicas de economia em viagens

Bom dia! 
Passando aqui rapidamente hoje pra deixar minha recomendação de leitura de uma reportagem do UOL que dá dicas para economizar em viagens. Acho muito útil nesses tempos de dólar alto, inflação, etc. 
Espero que aproveitem! Clique aqui para ler a matéria. 

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Seguro de viagem internacional


Oi gente!

O assunto é hoje é seguro de viagem internacional. Esse é um tema muito importante, mas para o qual infelizmente muita gente não dá bola. O problema é quando você viaja e acontece algum imprevisto, aí dançou! Prejuízo grande na certa!

Eu na verdade nem posso ficar falando muito porque não tenho tanta moral assim. Já viajei algumas vezes sem seguro, sempre aqui pela América do Sul mesmo (aquela que acha que América do Sul não é exterior)!  Enfim, viajei e dei sorte de não me acontecer nada. Se tivesse acontecido, provavelmente teria tido muita dor de cabeça, fora o prejuízo financeiro.

Antes de falar mais sobre isso, já aviso de cara que alguns países, como os da zona Schengen (Portugal, Espanha, Suíça, França, Itália, Luxemburgo, Bélgica, Holanda, Alemanha, Dinamarca, Suécia, Finlândia, Estônia, Polônia, República Tcheca, Eslováquia, Eslovênia, Hungria, Grécia, entre outros) exigem o seguro de viagem para entrada no país com cobertura mínima de 30.000 euros para despesas de saúde, ou seja, se você chegar ao destino e não comprovar que contratou o seguro, o oficial da imigração poderá barrar sua entrada no país e aí não tem jeito, lá se vão suas férias pro espaço. Essa regra foi imposta em troca da retirada da exigência de visto para brasileiros.

Existem várias empresas que oferecem esse serviço, bem como vários tipos de pacotes, que poderão ser escolhidos conforme sua preferência. Contratar esse serviço é muito importante porque ele cobre várias situações de imprevistos às quais estamos sujeitos quando viajamos e para as quais, em geral, não fizemos uma reserva financeira para cobrir.

As coberturas mais comuns oferecidas pelos seguros internacionais são: assistência farmacêutica, assistência jurídica, assistência médica por acidente ou doença, seguro de acidentes pessoais, assistência odontológica, hospedagem após alta hospitalar, localização de bagagem, remoção médica, repatriação médica, repatriação funerária, seguro de extravio de bagagem, transmissão de mensagem urgente, etc. Os limites de valores para cobertura variam de acordo com o plano escolhido.

Agora imagine que você está feliz da vida, curtindo sua viagem onde quer que seja, e que você acabe se acidentando ou adoecendo. Em muitos países, como Estados Unidos e os europeus, adoecer é caríssimo, um roubo! Isso porque nem mencionei a possibilidade de morte, que envolve inclusive repatriação do corpo (valores acima de R$ 10.000,00). E aí? Será que te convenci que é melhor pagar uns R$ 200,00 – 400,00 (custo médio) e ficar mais tranquilo, ou compensa arriscar? Já cansei de ler notícias nos jornais sobre famílias fazendo vaquinhas para tentar arrecadar fundos para um parente viajar e cuidar de alguém que adoeceu/faleceu no exterior, justamente porque é uma despesa muito grande e imprevista.

Eu costumo contratar o seguro de viagem por duas empresas, que são a Mondial Travel e a Porto Seguro (simulo pelas duas e contrato que tiver melhor custo-benefício). Dou preferência a elas porque já recebi opiniões de viajantes que utilizaram os serviços e não tiveram problemas. Existem várias outras empresas disponíveis, mas não me sinto à vontade para indicar porque não faço idéia da qualidade do serviço e do atendimento. Não posso dar uma opinião firme nem mesmo sobre as duas empresas que costumo contratar, pois felizmente nunca precisei utilizar o seguro. Nunca tive sequer uma bagagem extraviada. \o/

Bom, fora isso, é importante ler as cláusulas do contrato e tem sempre à mão, durante a viagem, os dados da seguradora (principalmente o telefone para registro de sinistro e o número da sua apólice), ok?

É isso, pessoal! Espero que tenham gostado e que a galera tenha se conscientizado que é importante viajar protegido, afinal se for pra ter dor de cabeça, que seja em casa e em reais!